Você está em
Home > Destaque > Conheça as 18 bandas do XI Festival Rock Feminino

Conheça as 18 bandas do XI Festival Rock Feminino

DIA 18/03

ELOÁ (Cordeirópolis)

A cantora cordeiropolense Eloá Leitão é sucesso por onde passa. Na internet são milhares de fãs e visualizações nos vídeos da cantora que grava canções com voz e violão.

 

ON CRASH (Rio Claro)

A On Crash começou a se desenhar em 2015 quando Julio Freschi, guitarrista, entrou em contato com Gabriel Ragghiante, baterista, para iniciarem um projeto de musicas autorais. A proposta feita logo de início por Julio foi a de ter um vocal feminino. Logo depois Eder Sampaio, baixista, se juntou aos dois. Não demorou muito até conhecerem Mars Martins, vocalista, que se encaixou mais que perfeitamente no projeto. A banda tem um som pesado, consistente, com muitas influências do Hardcore e Metal, mas com muita originalidade e confiança na sua proposta.

ANNE REVENGE (Americana)

Formada originalmente em 2012, a fim de celebrar o fim do mundo, o conjunto de música jovem Anne Revenge iniciou seus trabalhos buscando inovar o cenário. Com letras políticas e crônicas libertárias, a voz potente da cantora e guitarrista Ana Neves lidera uma parede musical que bebe do rock garagem clássico (MC5, Stooges), do metal 70 (Black Sabbath) juntamente a influências mais contemporâneas do stoner rock e rock alternativo, criando identidade à banda e trazendo um repertório diverso.  A atual formação conta com Ana Neves no vocal e guitarra, Matheus Colla na bateria e Rafael Cordeiro no baixo e tem sede nas cidades de Americana e Sumaré.

 

TEORIAS DO AMOR MODERNO (Santo André)

A banda Teorias do Amor Moderno foi formada no ano de 2007, na cidade de Santo André, no ABC Paulista. A Teorias já se apresentou em vários lugares da Grande São Paulo, interior e também no Estado da Bahia. A banda já teve o prazer de abrir show para grandes bandas, como, Capital Inicial e Pitty. A intenção final é transmitir ao público bons sentimentos, boas mensagens, por meio daquilo que fazem com total entrega, com corpo, alma e coração: a música.

CATALLISE (São Paulo)

Formada por Nycolle Linczuk (voz), Ingrid Vincenzi (guitarra), Ronald SagaZz (bateria) e Diego Pinheiro (baixo), a Catallise busca resgatar e sustentar uma cena independente plural e democrática que ofereça espaço para todos, não somente para nichos específicos de artistas/gêneros. Nascida em 2009 e reformulada em 2012, a banda tem dois EP’s lançados, o último em dezembro de 2016. Já passou pelos palcos de casas consagradas do underground paulistano como Hangar 110, Inferno Club, Cervejazul, Feeling Music Bar e Espaço Som. Também foi uma das campeãs da primeira edição do #showlivreday, em 2011, ganhando um programa completo em 2012 nos estúdios do Showlivre.com.

 

REBOTTE (São Paulo)

REBOTTE foi formado no ano de 2012, em São Paulo, capital, por Lívia Almeida e Ellen War. A intenção era montar um projeto diferente, mesclando o peso do metal, sintetizadores, refrões marcantes com letras em português, que contassem histórias da vida real – sempre levando o lema: Viva. Sobreviva. Vença. Em 2014 a formação se completou com seis integrantes, de mesmas intenções, ideologias e metas. Em 2015 deram início às composições e gravações do primeiro trabalho. Em fase de apresentação do seu novo trabalho, vem recebendo boas críticas da mídia especializada e de grandes nomes de destaque na cena.

BRAINCRUSHER (Rio Claro)

A banda teve início no começo de 2015, estando em atividade, fazendo vários shows desde então. No repertório está um hardcore com influências de tudo, do thrash ao suomi punk, sendo considerado um ower trio formado por: Jota HC na guitarra, Murilo Birolo no baixo e vocal, e Miriam na bateria e vocal. A banda tem uma demo lançada e está em gravação de um novo disco, que contará com diversas participações, como a de Léo Mesquita, do Surra/Ex Bayside Kings. O lançamento do disco será feito em Rio Claro, ao lado da histórica banda punk Cólera.

WHISPER (Itapetininga)

Banda formada em 2007 com 10 anos de estrada, tendo vários singles gravados em estúdio, a banda executa covers e próprias, clássicos como Led Zeppelin, Journey, Deep Purple, Joan Jett, Cranberries entre muitas outras. Em 2011, a banda foi selecionada entre as 15 melhores entre 45 mil inscritos no quadro “Olha Minha Banda” edição Rock in Rio do Caldeirão do Huck. A banda também já foi vencedora de festivais da cidade e região, como Expo Music em Itapetininga por três anos e uma da cinco mais votadas para tocar na Festa da Uva em Vinhedo.

DIA 19/03

 

VALERYANA (Rio Claro)

Formada em janeiro de 2007, a banda Valeryana estreou nos palcos no quinto Festival Rock Feminino e tornou a se apresentar no evento em 2009. Com formação rotativa, a banda já trocou de formação por três vezes e em 2017 – dez anos depois de sua fundação – retorna aos palcos trazendo: Vivian Guilherme (vocais), Marcella Chiapina (guitarra), Tassyane Marize (baixo) e Mari Segreto (bateria). Mais do que uma banda, a Valeryana é um grupo de amigas que se divertem!

DIRTY SHOT (Piracicaba)

Dirty Shot é uma banda que foi criada no final de 2012 em Piracicaba, interior paulista, é formada por Rosana Metler (vocal), Juliana Roverotto (guitarra), Rafael Negri (guitarra), Rafael Pelissari (baixo) e Fernando Medrado (bateria). Seu primeiro disco “Strange Feelings” está sendo produzido por Cláudio Sanchez (Estúdio Groovie) e tem data de lançamento prevista para o primeiro semestre de 2017. Em seu repertório encontram-se músicas autorais, um rock cheio de riffs e vocais melodiosos. A banda gravou seu primeiro clipe em 2016, do qual está disponível no Youtube. Mais informações no facebook da banda: facebook.com/bandadirtyshot.

 

OITAVA (Cubatão)

Formada por Bruna Lima nos vocais e guitarra, Mac Gomes no baixo, André Félis na guitarra e Léo Nunes na bateria, a OITAVA nasceu devido a vontade de externar anos de amizade em arte. Fundada em 2015 em Cubatão, litoral de São Paulo, o trio brinca ao contar que o nome da banda faz jus a quantidade de vezes que já tentaram tocar juntos. Com letras que retratam conflitos internos e a incansável busca por equilíbrio pessoal, a banda apresenta uma interessante mistura entre o peso das guitarras e o vocal feminino executado de maneira visceral por Bruna. A banda acabou de gravar seu primeiro disco, ainda sem nome e já está na fase final de mixagem.

 

PEPPERIES (Rio Claro)

Formada em 2012, a banda já se apresentou em diversas cidades de Rio Claro e região, inclusive na emissora de televisão SBT, com muitos shows na bagagem após quase cinco anos fazendo cover a banda decidiu seguir a linha autoral.

MÉNAGE (Florianópolis)

Power trio de rock, simples assim. Formada por amigos de longa data com influências diversificadas que convergem num Stoner alternativo buscando uma sonoridade de bandas dos anos 90. Em algum lugar entre o melódico e o sujo, de letras cruas, mas que instigam questionamentos, a Mènage se faz em um calabouço qualquer.

NAPKIN (Joinville)

Formado na cidade de Joinville, o duo se destaca pelo talento genuíno das compositoras, instrumentistas e cantoras Natana Alvarenga e Kimberly Neves. Juntas encontraram uma boa fórmula: indie pop/rock com riffões de guitarra e batidas dançantes. Longe do lugar comum e das melodias manjadas, Napkin se resguarda nas linhas de teclado e piano bem arranjadas para fazer o diferencial. As harmonias de guitarra também agregam identidade, tão bem quanta a riqueza do trabalho vocal. Estão na estrada e pelos palcos do país, prontos para serem uma grande revelação do rock nacional e mostrar todo o potencial de sua curta, porém original, discografia.

SOPHIA (Araras)

A banda foi formada em outubro de 2010 na cidade de Araras-SP. Composta por Tati Balloni (vocal), Lary Melão (teclado), Léo Varuzza (baixo), Phill Borsonelli (guitarra), Luquinha Pastre (guitarra) e Will Gouveia(bateria), Sophia iniciou sua trajetória musical em diversas cidades da região do estado de São Paulo, com repertório agressivo, riffs de guitarra pesados e marcantes, realçando também as melodias de teclado e voz. Devido a ótima aceitação perante o público dos shows e com influências diversas de cada integrante, Sophia criou sua própria identidade em suas músicas.

PA MORENO E OS TETRALDAS (Piracicaba)

Pa Moreno construiu sua carreira nos últimos 20 anos com a veia rock apimentada de nuances do blues e do jazz. Compositora, vocal e gaitista com dois cds lançados no mercado nacional: “Pa Moreno” em 2011 e “Tetraldas” recém lançado em fevereiro de 2017 e com a banda que a acompanha nesse festival. Ao longo de sua carreira percorreu palcos internacionais, é também front do grupo de jazz Hot Club de Piracicaba. Seu primeiro CD faz parte do portfolio do renomado selo norueguês Hot Club Records sendo a primeira mulher da América Latina a fazer parte dessa pasta concorrida. Compõe a formação de Pa Moreno e os Tetraldas: Flavio Vieira, Lukas Funes e Zé Rubens nas guitarras, Paulo Baker na bateria e Kauê Lima no contrabaixo.

FUNERAL SEX (Rio Claro)

Funeral Sex é uma banda autêntica, que tenta não se prender a estilos. A intenção é ser soturno e fúnebre, mas também de uma maneira mais poética. O estilo transita entre essa temática, com os riffs de Stoner Rock. Tem influências de bandas dos anos 70 e músicas autorais. Tem participado de vários festivais do interior paulista e coletâneas e resenhas, inclusive internacionais. É formada por Vladimir Matheus, Guitarra e voz; Thaís Pancheri, Baixo; e Victor Delmondi, Bateria.

ABORN (Campinas)

Banda formada em 2015, por Tamyris Leopoldo (baixo), Taty Kanazawa (vocal e guitarra), Beatriz Paiva (guitarra) e Isabela Moraes (bateria). A proposta da banda é fazer um Thrash/ Death simples com vocal gutural e instrumentais pesado. Tem como principais influências Sepultura, Soufly, Cannibal Corpse. Está em estúdio trabalhando nos detalhes finais para o trabalho que tem previsão para início das gravações no segundo semestre de 2017.

Rock Feminino
O site Rock Feminino é um grande banco de dados brasileiro de bandas de rock com mulheres.
http://www.rockfeminino.com.br

Leave a Reply

Top